Cicloviagem com Rodas MT55

Como transformar sua bike ‘para melhor’

Entrevista JB.jpg

 

Em 2016 o fotógrafo e cicloturista JB Carvalho realizou uma viagem com a qual todos nós, apaixonados pela bike sonhamos: da Holanda à Itália em um pedal que durou 40 dias. Nesse trajeto épico, JB passou por lugares históricos, cenários fantásticos, percorrendo um trajeto que ele chamou de Giro Amsterdã-San Remo, pois, seu objetivo maior, era unir de bicicleta, o Mar do Norte ao Mar Mediterrâneo.

É claro, a gente quis saber do JB como foi pedalar 1600Km de bicicleta, nessa travessia europeia. Queríamos entender, principalmente, de que forma um bom par de rodas poderia influenciar na situação geral da bicicleta e do pedalar.

 

SHIMANO: JB, a gente sabe que um bom grupo de transmissão pode fazer diferença deixando as marchas mais rápidas e leves. Mas a bicicleta sofre uma grande transformação quando você melhora o quesito rodas. No seu caso, o que mudou quando você colocou rodas de excelente qualidade na bicicleta e de que forma isso te ajudou na viagem?

JB: Bom, eu utilizei rodas Shimano WH-MT55, de 29 polegadas numa bicicleta da marca First. Montei com as rodas da Shimano, que faziam parte do pacote que veio como apoio em peças, além do grupo Deore Trekking. Confesso que me surpreendi. Ela não é um modelo top de linha da Shimano, mas sua configuração com 24 raios a deixa bem leve e, ao contrário do que parece, com excelente rigidez.

E veja que interessante: fiz essa viagem ano passado, rodando mais de 1500 km. E estou até hoje pedalando a mesma bicicleta com o mesmo par de rodas, e nem sequer tive que alinhá-las.  Não tive nenhum raio quebrado. O baixo peso do conjunto de rodas, aliado a resistência foram surpreendentes. E é normal em uma viagem como essa, de alta quilometragem, você ter um ou outro raio quebrado ou a roda desalinhada.

1600 km entre o Mar do Norte e o Mar Mediterrâneo

SHIMANO: você acredita então que ter optado por estas rodas foi uma decisão acertada?

JB: Na verdade, toda as escolhas foram certas: a Bike foi montada com um grupo Deore Trekking de 30 velocidades que foi 100% adequado a esse tipo de viagem, onde enfrentei muita chuva, estradões de terra e asfalto. Além de muita subida, é claro! Então a qualidade da roda com excelente aerodinâmica, maciez, rigidez e condição de rodagem adequada, junto com esse grupo Deore, foi realmente uma escolha muito boa.

SHIMANO: A Shimano usa nos cubos dela o sistema de Cup & Cone (copo e cone) que favorece as forças radiais e axiais, que são exercidas quando em curva, e não apenas a ação gravitacional do peso do ciclista. Você pôde perceber alguma diferença nesse sentido?

JB: Na verdade, utilizo cubos Shimano há muitos anos, portanto não consigo dizer que senti essa diferença. Apenas posso dizer que o comportamento da bicicleta, com meu peso mais os 20 kg de alforjes que carreguei, em subidas, descidas e curvas mais acentuadas, foi perfeito. E isso a gente atribui às rodas da bike. E ao conjunto no todo: as MT55 com o grupo Deore de Trekking.

 

João Batista Carvalho é um biker experiente. Pioneiro do MTB no Brasil, JB já participou de diversas competições e sempre esteve envolvido com o ciclismo. Como fotógrafo já fez diversos trabalhos jornalísticos e cobertura de eventos de ciclismo, além de exposições e palestras. JB se dedica também a viagens de cicloturismo com ênfase na Europa onde procura trajetos históricos, visitando museus e rotas tradicionais do Tour de France e Giro D’Italia.

Entrevista JB-bike.jpg